OS MELHORES VÍDEOS

Loading...

Noticias

Loading...

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

ENEM: Fraude em Minas Gerais



O esquema era facilitado pelos fiscais da prova, contratados pelo MEC, que minutos antes repassavam o caderno de provas com todas as questões resolvidas. A quadrilha cobrava cerca de 100 mil reais pelo gabarito que era repassado aos estudantes por meio de celulares de plástico.

O chefe do bando José Claudio de Oliveira agia em casa e em seu carro foram apreendidos cadernos com as questões do ENEM e listas com os contatos dos estudantes. Outras 35 pessoas acabaram presas. 

O bando, que também vendia respostas em vestibulares de medicina, agia em dezessete cidades mineiras e no Rio de Janeiro.

sábado, 22 de junho de 2013

Reflexão - Possível Perspectiva Temerosa



 Regime ou Ditadura militar no Brasil foi o regime autoritário que governou o país de 1º de abril de 1964 até 15 de março de 1985. A implantação da ditadura começou com o Golpe de Estado de 1964, quando as Forças Armadas do Brasil derrubaram o governo do presidente constitucional João Goulart e terminou quando José Sarney assumiu o cargo de presidente. A revolta militar foi fomentada por Magalhães Pinto, Adhemar de Barros e Carlos Lacerda, governadores dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente, com apoio dos grandes veículos de comunição. O regime militar brasileiro inspirou o modelo de outros regimes militares e ditaduras por toda a América Latina, sistematizando a "Doutrina de Segurança Nacional", que justificava ações militares como forma de proteger o "interesse da segurança nacional" em tempos de crise.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Justiça Americana Proíbe Laboratórios de Patentear Genes Humanos


A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta quinta-feira (13) que empresas não podem patentear genes humanos, uma vez que eles são produto da natureza, mas manteve a permissão para o patenteamento de DNA sintético. 

A decisão foi unânime e reverte três décadas de concessões de patentes genéticas por agências governamentais norte-americanas.
"Nós sustentamos que um filamento de DNA produzido pelo organismo humano é um produto da natureza e não pode ser patenteado pelo simples fato de ter sido identificado e isolado", escreveu o juiz Clarence Thomas.
A Suprema Corte considera que leis da natureza, fenômenos naturais e ideias abstratas não podem ser patenteados.
No entanto, os juízes norte-americanos consideraram que o DNA sintético - desenvolvido em laboratório e também conhecido como cDNA, ou DNA complementar - pode ser patenteado, "uma vez que não se trata de um produto da natureza", escreveu o juiz Thomas.
Ao longo de quase 30 anos, a Agência de Marcas e Patentes dos EUA vinha outorgando patentes de genes humanos.

Mais recentemente, opositores dessas concessões questionaram o patenteamento de um exame desenvolvido pela empresa de biotecnologia Myriad Genetics envolvendo dois genes humanos (BRCA1 e BRCA2) vinculados aos riscos de se contrair câncer de mama ou ovário.

O exame em questão ganhou notoriedade há apenas algumas semanas, quando a atriz Angelina Jolie revelou ter-se submetido a uma mastectomia dupla por causa de um desses genes.
Apesar de a decisão referente aos genes humanos ter potencial para afetar profundamente um ramo emergente e lucrativo do mercado de biotecnologia, a opinião da Suprema Corte sobre o DNA sintético mantém a porta aberta para o patenteamento de descobertas futuras no campo da biotecnologia.
"Hoje, a Suprema Corte derrubou uma grande barreira aos cuidados com pacientes e à inovação médica", disse Sandra Park, advogada do Projeto pelos Direitos das Mulheres da União Pelas Liberdades Civis Americanas (ACLU, na sigla em inglês).

"A Myriad não inventou os genes BRCA e não deveria controlá-los. Com a decisão de hoje, pacientes terão mais acesso aos testes genéticos e cientistas poderão pesquisar esses genes sem o risco de serem processados", argumentou ela.

Fonte: Jornal do Comércio.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

MEDICAMENTO CONTRA O CÂNCER PODE LEVAR À CURA DO ALZHEIMER



Quatro equipes de cientistas independentes concluíram que um medicamento usado normalmente no combate ao câncer pode levar à redução da placa amilóide no cérebro e contribuir para a cura do mal de Alzheimer. Os testes foram feitos em ratos e obtiveram sucesso. A pesquisa foi publicada  na revista norte-americana Science. Porém, cientistas advertem que é necessário ter cautela sobre os efeitos do tratamento.
O estudo mostra que ratos tratados com bexaroteno demonstravam mais rapidez e inteligência e que a placa no cérebro, que causava o Alzheimer, começava a desaparecer em horas. "Queríamos repetir o estudo para verificar o que pode ser analisado e conseguimos fazê-lo", disse o professor de neurologia da  Universidade da Flórida, David Borchelt. “Mas é preciso ter certa cautela sobre o futuro no que se refere aos pacientes”, alertou.
Os cientistas observaram que o medicamento funcionava incrementando os níveis da proteína apolipoproteína E (ApoE), que ajuda a eliminar a acumulação da placa amilóide no cérebro, uma característica considerada chave do Alzheimer.
O principal autor do estudo, Gary Landreth, professor no Departamento de Neurociências da Case Western Reserve University School of Medicine, não escondeu a surpresa. “Ficamos surpresos e assombrados. Isso jamais havia sido visto antes”, ressaltou.
Os cientistas se dividiram em quatro grupos distintos para analisar os efeitos da aplicação do medicamento nos ratos. Um grupo notou avanços mentais nos animais. O mal de Alzheimer é uma doença neurológica progressiva e incurável, que se manifesta geralmente com a perda da memória e de outras capacidades mentais, com o surgimento da demência até a morte.
De acordo com especialistas, a doença se desenvolve atacando as células nervosas (neuronas), que morrem, e as diferentes zonas do cérebro se atrofiam. A doença afeta 36 milhões de pessoas no mundo.
Fonte: Info.abril.com.br

domingo, 17 de fevereiro de 2013

O Papa é Pop...



Uma segunda-feira que tinha tudo para ser banal, sem qualquer indício de que algo extraordinário poderia acontecer.
Sentada na sala de imprensa, ao lado da Praça São Pedro, no Vaticano, a jornalista italiana Giovanna Chirri, pelo monitor, acompanhava uma cerimônia de rotina do Papa Bento XVI com alguns cardeais.
A repórter da agência de notícias ANSA teve um sobressalto quando a reunião acabou e Bento XVI tomou a palavra em latim. Ela, que estudou a língua, entendeu o que o Papa dizia e deu um dos maiores furos do século, ou dos últimos 700 anos.
“O Papa disse que faria um anúncio importante para o futuro da Igreja, que estava ficando muito velho para governar. Fiquei aterrorizada”, conta.
Bento XVI anunciou a sua renúncia, justificando não possuir mais o vigor físico e espiritual para governar a Igreja.
“Ciente da seriedade desse ato, com total liberdade eu declaro que eu renuncio ao ministério de Bispo de Roma confiado a mim pelos cardeais em 19 de abril de 2005. Em 8 de fevereiro de 2013, às 20 horas, a Sé de São Pedro estará vaga e um conclave para eleger o novo Pontífice Supremo precisará ser convocado”.
Foi assim que Bento XVI anunciou que deixará de ser Papa. “Fiquei muito nervosa, tentei confirmar quando o Papa acabou de falar. Então o Cardeal Angelo Sodano disse que a notícia tinha a força de um raio em um céu claro. Eu estava sentada e as minhas pernas tremiam. Era a demissão de um Papa. Depois que escrevi comecei a soluçar”, conta.
Na sala com Bento XVI estava o cardeal brasileiro Dom João Braz de Aviz. “Eu perguntei: ‘O Papa está se demitindo’? O Papa não mudou nem o tom de voz, nem ergueu os olhos. Realmente foi uma surpresa muito grande pra nós, para todos que estavam ali. Realmente uma novidade que a gente não via há muito tempo”, relata.
Os motivos que teriam levado o Papa Bento XVI a anunciar a sua renúncia, foram discutidos durante toda a semana.  Além do cansaço físico, desânimo, intrigas e denúncias de pedofilia na igreja abalaram o Papa. Casos de padres que abusaram de crianças e demoraram para ser julgados pelo Vaticano foram um golpe muito duro.
“A importância de Bento XVI na luta contra a pedofilia é a sua posição muito clara: não se pode mais tolerar a pedofilia. Os padres culpados devem ir para justiça comum. O que faltou fazer? Um decreto que obrigasse os bispos a denunciar os padres pedófilos”, afirma Marco Politi.
No pontificado de quase oito anos, outro escândalo o abalou profundamente. Em maio do ano passado, o jornalista e escritor Gianluigi Nuzzi publicou um livro que chocou a Santa Sé. “Sua santidade” apresentava documentos secretos do Papa, que expuseram cardeais e bispos, principalmente o secretário de Estado, Tarciso Bertone, o segundo posto mais alto do Vaticano.
Para responder à pergunta: quem roubou as cartas de Bento XVI, a polícia vaticana entrou em ação. Como em toda boa história de suspense, o culpado era o mordomo. Paolo Gabriele, que cuidava do apartamento papal, foi preso e confessou. E declarou que a sua intenção era a de proteger o Papa. Mas o mandante, se existe, nunca foi descoberto.
O caso do mordomo ficou conhecido como Vatileaks. Paolo Gabriele foi libertado e perdoado por Bento XVI. “Foi uma questão chata, porque alguém da intimidade, do dia a dia do Papa, com uma atitude que não tem muito a que ver com o que ele fazia. Não se pode pensar em um homem que age assim tão perto do Papa”, afirma Dom João Braz de Aviz.
Em entrevista do ano passado, o escritor contou que os documentos revelavam duras críticas e ataques a Bertone, que vinham de dentro e de fora da Cúria, de autoridades que escreveram ao Papa denunciando atos do secretário de Estado.
Entre as cartas, estava a do então presidente do Banco do Vaticano, Gotti Tedeschi, que teria confessado a Bento XVI o temor de sofrer perseguições por querer mais transparência para o banco.
Em 2010, o Banco do Vaticano foi investigado por lavagem de dinheiro. O então presidente, Gotti Tedeschi, foi demitido pelo Cardeal Bertone há nove meses. O cargo ficou vago até dois dias atrás, quando foi nomeado o alemão Ernest Von Freyberg, presidente de um estaleiro de navios de luxo e integrante de um consórcio que produz navios de guerra.
“Isso não é um bom sinal porque teria sido melhor que a escolha fosse feita pelo novo Papa, com a sua estratégia e com transparência”, afirma Marco Politi.
Vaticanistas apontam a existência de duas facções dentro da cúpula da Igreja. Uma liderada por Tarciso Bertone e outra, pelo ex-secretário de Estado, Angelo Sodano, supondo uma guerra de poder entre elas.
Na missa da quarta-feira de cinzas, o Papa lembrou que Jesus denunciou a hipocrisia religiosa. Para por um fim a uma rivalidade que, segundo Bento XVI deturpa a igreja, ele poderia ter preferido a renúncia para que a Igreja possa recomeçar uma nova estratégia, das cinzas da quaresma, e um novo Papa possa ser eleito até a Páscoa, tempo de ressurreição.
A grande reforma de Bento XVI foi a sua demissão, ter mostrado que o pontificado pode acabar sem a morte de um Papa. Isso completa a reforma de Paulo VI, que queria rejuvenescer a Igreja, e decidiu que os bispos se retirassem aos 75 anos, porque antes ficavam até a sua morte, e que os cardeais não entrassem em conclave depois dos 80 anos.
E que futuro deverá construir para a Igreja o novo Papa? “Tem muitas questões graves que devem ser enfrentadas: a falta de padres, o divórcio, os homossexuais, as relações com as outras igrejas cristãs do mundo. Não sabemos ainda se o conclave terá uma maioria reformista. O certo é que a ala conservadora não vai conseguir impor o seu candidato. Portanto, será um candidato de centro”, afirma Marco Politi.
“Dia 28 acaba a minha missão. Como acaba a de qualquer cardeal. Vou ficar sem emprego, mas eu depois vou para o conclave. Nesse período a gente não tem mais autoridade. Eu sou uma das 117 possibilidades. Mas são 117”, brinca Dom João Braz de Aviz.
Fonte: Globo.com
Para ilustrar vamos relembrar a nossa querida banda gaúcha 'Engenheiros do Hawaii' cantando 'O Papa é Pop', veja o vídeo clipe:

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Fim do Mundo: Profecias Maias explicadas pelos cientistas


Agência espacial convocou cientistas para mostrar os motivos pelo qual as previsões para 21 de dezembro são falsas

A Nasa tem certeza de que o mundo não vai acabar no dia 21 de dezembro de 2012 e faz questão de informar a todos sobre isso. A organização lançou um vídeo no qual explica os motivos pelos quais as supostas previsões maias de que a vida se extinguiria na data são falsas.

O vídeo recebeu um título que logo de cara mostra a opinião da Nasa: "Why the World didn't End Yesterday", que significa "Por que o mundo não acabou ontem". O vídeo parte da premissa de que, se você o está assistindo no dia 22 de dezembro, é porque o planeta não foi destruído.

Em seguida, a entidade explica com riqueza de detalhes os motivos pelos quais as supostas 'profecias' dos maias não irão se concretizar.

Toda essa confusão, segundo a Nasa, deve-se ao calendário maia, que funcionaria como um odômetro de um carro. Ao zerar, como iria acontecer na fatídica data, ele deveria reiniciar a contagem, como acontece nos automóveis, e não simplesmente acabar com a vida no mundo. Assim, nenhuma das ruínas da antiga civilização contém informações sobre uma possível destruição do planeta.

A Nasa afirma que um grupo de cientistas organizou um Hangout do Google para discutir suas descobertas sobre o tema. Don Yeomans, chefe do programa de detecção de objetos próximos à Terra diz que não nenhum asteroide ou planeta se deslocando em direção à Terra.

Já a cientista Lika Guhathakurta diz que o Sol também não é um problema e que a atividade solar está dentro do normal.

A Nasa realmente está preocupada com a crença de que a data representará o fim da vida humana na Terra. No dia 28 de novembro, a agência realizou uma conferência para tratar do tema e ainda criou uma seção especial sobre isso em seu site oficial

"Estamos fazendo isso porque muitas pessoas escrevem para a Nasa pedindo uma resposta. Em particular, estou preocupado com crianças que me escrevem dizendo que estão com medo, que não conseguem dormir, não conseguem comer. Algumas dizem que estão até pensando em suicídio", afirmou o astrobiologista David Morrison, do Centro de Pesquisa Ames, da Nasa na ocasião.
Assista o vídeo abaixo, está em inglês mas você pode configurar na barra inferior da janela para ter legendas em português:



Fonte: Olhar Digital

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Joaquim Barbosa x Dilma uma foto que fala mais que 1000 palavras...


A foto de Dida Sampaio é mais que o registro do momento em que Dilma Rousseff, presidente da República há quase dois anos, cumprimentou o ministro Joaquim Barbosa, que acabara de assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal. A imagem documenta a colisão frontal, consumada em estridente silêncio, entre um homem e uma mulher assaltados por sentimentos opostos e movidos por antagônicos estados de ânimo.

O chefe do Poder Judiciário está feliz, de bem com a vida. A chefe do Poder Executivo está contrafeita, nas fímbrias da amargura. Joaquim Barbosa é o anfitrião de uma festa. Dilma Rousseff é a convidada que nada tem a festejar. Está lá por não ter conseguido livrar-se do convite.
Ele se sente em casa e pensa no que fará daqui por diante. Ela pensa no que ele fez e anda fazendo. E se sente obrigada a enviar um recado fisionômico ao padrinho e aos condenados no julgamento do mensalão: se pudesse, estaria longe dali.
Só ele sorri. O sorriso contido informa que o ministro não é homem de exuberâncias e derramamentos. Mas é um sorriso. Os músculos faciais se distenderam, os dentes estão expostos, o movimento da pálpebra escavou rugas nas cercanias do olho esquerdo.
A presidente não sorri. (O companheiro ministro Ricardo Lewandowski foi premiado com sorriso e dois ósculos). Na foto, o que se vê no rosto da presidente é um esgar. A musculatura contraída multiplica os vincos na face direita, junta os lábios num bico pronunciado e assimétrico, faz o olhar passar ao largo do homem à sua frente.
O descompasso das almas é sublinhado pelas mãos que não se apertam. A dele ao menos se abre. A dela, nem isso. Dilma apenas toca Joaquim com a metade dos quatro dedos. Ele a cumprimenta como quem acabou de chegar. Ela esboça um cumprimento de quem não vê a hora de partir.
Conjugados, tais detalhes sugerem que, se Joaquim Barbosa sabe que chefia um dos três Poderes independentes e soberanos, Dilma Rousseff imagina chefiar um Poder que dá ordens aos outros. Ela já deveria ter aprendido com o julgamento do mensalão que as coisas não são assim. A maioria dos ministros é imune a esgares.
Ministros do STF que temem carrancas nem precisam vê-las para atender aos interesses do governo. Não são juízes. São companheiros. Por enquanto, são dois...
surrupiado do Blog do Augusto Nunes...

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Michael Jackson morreu virgem


Escritor Randall Sullivan escreve em novo livro que cantor nunca teve uma relação sexual
Lançada nos Estados Unidos, a biografia "Untouchable: The Strange Life and Tragic Death of Michael Jackson " ("Intocável: A estranha vida e a trágica morte de Michael Jackson", em português) afirma que o rei do pop, morto em 2009 , era virgem.
Em suas páginas, o escritor Randall Sullivan, ex-editor da revista Rolling Stone, afirma que o cantor morreu sem ter feito relações sexuais. "De acordo com as evidências, ele morreu como um virgem de 50 anos, sem nunca ter mantido relações sexuais com homens, mulheres ou crianças. Esse estado de solidão foi responsável em grande parte por fazê-lo único como artista e tão infeliz como ser humano".
Apesar da polêmica, o autor não apresenta provas concretas que sustentem sua afirmação. 
De acordo com o jornal The New York Times, que resenhou a obra, o livro repassa outros momentos marcantes da carreira de Jackson sem acrescentar novas informações. Estão lá os dois processos sofridos pelo cantor, acusado de molestar uma criança em 1993 e outra em 2005, os relatos de abusos físicos e psicológicos impostos pelo pai durante sua infância, as dívidas adquiridas pela má gerência de seus bens e a dependência de drogas que resultaram em sua morte.
Sobre as 50 apresentações marcadas da turnê "This Is It", cujos vídeos de ensaios acabaram se tornando um documentário, Sullivan empresta palavras do produtor do show, Kenny Ortega, que colaborou com a biografia. De acordo com ele, as apresentações "não apenas ajudariam Jackson a equilibrar suas finanças, mas recuperariam sua dignidade como artista".

Assista os 10 melhores clipes do gênio Michael:


Don’t  stop til you get enough


Black or white

Billie jean

Remember the time

Beat it

Jam

Thriller


They don’t care about us

Bad

This is it





Fonte: Ig músicas

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

MENSALÃO: Resultado final com todas as sentenças


Cinco anos após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter aceitado denúncia contra 40 suspeitos de envolvimento no mensalão, os ministros da Corte definiram o futuro dos réus em um julgamento que se estendeu por quase três meses.

O empresário argentino Carlos Alberto Quaglia foi o primeiro réu a ter seu destino decidido pela Suprema Corte. Haman Córdova, único defensor público em meio a tantos advogados de renome, conseguiu garantir a nulidade da ação contra Quaglia após apontar um erro do STF na condução do processo. Agora, ele vai responder à Justiça de primeiro grau.
Outros dois suspeitos de integrar o esquema estão fora do julgamento. Um deles é o ex-deputado José Janene, que morreu em 2010. O outro é Silvio Pereira, ex-secretário-geral do PT que fez um acordo com a Justiça para se livrar do processo. Além deles, 25 pessoas foram condenadas e 11, absolvidas. Confira a seguir o destino dos réus do mensalão. 
Carlos Alberto Quaglia
Na primeira vitória de um réu no processo do mensalão, os ministros concordaram que a defesa de Carlos Alberto Quaglia foi cerceada e que houve erro por parte da secretaria do STF ao não verificar uma troca nos advogados do réu. De acordo com o defensor público-geral Haman Córdova, as testemunhas convocadas não foram ouvidas, deixando a defesa falha. Assim, o processo foi encaminhado à Justiça de primeira instância, que analisará se o dono da corretora Natimar usava a empresa para lavar o dinheiro do mensalão distribuído ao PP. Responderá em primeira instância pelos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.


José Janene
O ex-deputado José Janene era apontado como tesoureiro do PP e teria recebido o volume de R$ 4,1 milhões em nome do partido para votar a favor do governo. Em 2006, o então parlamentar foi absolvido do processo de cassação. Quatro anos depois, em 2010, morreu vítima de uma cardiopatia grave enquanto estava internado à espera de um transplante de coração.
Deixou de responder pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Foto: José Cruz/Agência Brasi

Sílvio Pereira
Secretário-geral do PT na época do escândalo, Sílvio Pereira foi apontado como um dos responsáveis pelas indicações para o preenchimento de cargos e funções públicas no governo Federal. Para se livrar do processo, ele fez um acordo com a Justiça para cumprir 750 horas de serviço comunitário e se apresentar em juízo mensalmente. Ele terminou o trabalho comunitário, mas deixou de comparecer à Justiça em três meses de 2010.
Deixou de responder pelo crime de formação de quadrilha
Foto: Agência Brasil

João Paulo Cunha
A maioria dos ministros do STF entendeu que o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) sabia da origem ilícita do dinheiro recebido das empresas de Marcos Valério e que ele favoreceu os negócios do empresário, em troca da propina, durante sua gestão na presidência da Câmara dos Deputados. Sobre outra acusação, envolvendo a contratação irregular de uma empresa de assessoria de imprensa para a Câmara, o deputado foi inocentado pela maioria dos ministros por falta de provas. Condenado por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Absolvido por outro peculato.
Foto: Renato Araújo/Agência Brasil


Marcos Valério
O empresário mineiro Marcos Valério Fernandes de Souza foi apontado pelos ministros do STF como o operador do esquema de compra de votos de parlamentares por meio da aliança com políticos do PT e com dirigentes do Banco Rural. Ele ainda foi condenado por causa de desvios na Câmara dos Deputados e no Banco do Brasil e pelos repasses ao exterior de dinheiro para o publicitário Duda Mendonça.
Condenado por lavagem de dinheiro, três corrupções ativas, três peculatos, evasão de divisas e formação de quadrilha. 
Pena de 40 anos, um mês e seis dias de prisão, além do pagamento de R$ 2.783.800 em multas.
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Cristiano Paz
Sócio de Marcos Valério nas empresas SMP&B, Graffiti e DNA, Cristiano Paz foi condenado por negociar empréstimos e a distribuição de recursos a políticos, buscando obter contratos de publicidade. Embora os ministros tenham reconhecido uma atuação menor em relação a Valério, ele não escapou das condenações envolvendo desvios na Câmara dos Deputados e Banco do Brasil, além da relação com a cúpula petista e com os dirigentes do Banco Rural. Os ministros só consideraram que não há provas dos repasses ao exterior para o publicitário Duda Mendonça.  Condenado por lavagem de dinheiro, três corrupções ativas, três peculatos e formação de quadrilha; absolvido por evasão de divisas.


Ramon Hollerbach
Sócio de Marcos Valério nas empresas SMP&B, Graffiti Participação e DNA Propaganda, Ramon Hollerbach foi condenado pelo STF por integrar o núcleo comandado pelo empresário no esquema do mensalão. Para os ministros, a atuação dele foi fundamental na obtenção dos empréstimos que financiaram a compra de apoio da base aliada. Ele foi apontado como um dos responsáveis pelos desvios na Câmara dos Deputados e no Banco do Brasil, pelos repasses a Duda Mendonça no exterior, além da relação criminosa com a cúpula petista e com os dirigentes do Banco Rural. Condenado por lavagem de dinheiro, três corrupções ativas, três peculatos, evasão de divisas e formação de quadrilha.

Henrique Pizzolato
Condenado por unanimidade pelo STF, o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil foi apontado pelos ministros como responsável por autorizar antecipações do pagamento da publicidade do Fundo Visanet no valor de R$ 73,8 milhões em troca de propina paga pelo empresário Marcos Valério. Ele também foi considerado culpado por não ter solicitado a devolução de R$ 2,9 milhões referente ao bônus de volume, um incentivo dado pelas empresas de comunicação a agências de publicidade, proporcional ao valor investido em anúncios.
Condenado por corrupção passiva, dois peculatos e lavagem de dinheiro.
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Luiz Gushiken
Ex-ministro da Secretaria de Comunicação e Gestão Estratégica da Presidência da República, Luiz Gushiken foi acusado de permitir desvios de recursos públicos em benefício da empresa de publicidade DNA, de Marcos Valério. No entanto, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, na sua sustentação oral no STF, pediu a absolvição do réu por falta de provas. A posição foi seguida por todos os ministros da Corte. Gushiken se afastou da política para lutar contra um câncer e recebe tratamento no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. 
Absolvido de peculato


Ayanna Tenório
Ex-vice-presidente do Banco Rural, Ayanna Tenório foi apontada pelo relator da ação penal, ministro Joaquim Barbosa, como responsável por autorizar empréstimos às empresas de Marcos Valério sem notificar o Banco Central. No entanto, os demais ministros entenderam que ela não tinha conhecimento das operações financeiras, não tendo participação nas fraudes. Absolvida de gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.
Foto: Divulgação


José Roberto Salgado
José Roberto Salgado era vice-presidente do Banco Rural na época do suposto esquema do mensalão. Os ministros entenderam que ele teve participação ativa na liberação de empréstimos fictícios para o PT e empresas de Marcos Valério para o pagamento de propina a políticos em troca em apoio ao governo no Congresso. Ele ainda foi considerado culpado pelo repasse de dinheiro ao exterior em benefício do publicitário Duda Mendonça. Condenado por gestão fraudulenta de instituição financeira, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. Foto: Divulgação


 Kátia Rabello
Ex-presidente do Banco Rural e uma das acionistas majoritárias da instituição financeira, Kátia Rabello foi apontada pelos ministros como responsável pela renovação de empréstimos em benefício dos núcleos financeiro e político do mensalão. Além de ser enquadrada como parte da "organização criminosa", ela ainda foi condenada pelos repasses de recursos ao exterior para o publicitário Duda Mendonça.
Condenada por gestão fraudulenta de instituição financeira, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. 
Foto: Divulgação


Vinícius Samarane
Apesar de ter uma atuação menor em relação a outros dirigentes do Banco Rural, o atual vice-presidente da instituição financeira foi apontado pelos ministros como um dos responsáveis pelos empréstimos ao PT e às empresas de Marcos Valério, sendo condenado por gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro. No entanto, segundo o STF, não ficou provado o envolvimento dele com os repasses no exterior para o publicitário Duda Mendonça. Sobre a acusação de formação de quadrilha, ele também foi absolvido já que o empate na votação beneficiou o réu. Condenado por gestão fraudulenta de instituição financeira e lavagem de dinheiro; absolvido por evasão de divisas e formação de quadrilha. 


Rogério Tolentino
Advogado de Marcos Valério, Rogério Tolentino foi condenado pela maioria dos ministros por ter colaborado com a viabilização de empréstimos fraudulentos junto ao Banco Rural. De acordo com o ministro Joaquim Barbosa, ele era "companheiro de todas as horas" de Valério e participou de "todas as maquinações" do grupo criminoso. 
Condenado por lavagem de dinheiro, corrupção ativa e formação de quadrilha
Foto: Divulgação


Simone Vasconcelos
Para o STF ficou comprovado que a ex-diretora-administrativa da empresa SMP&B Simone Vasconcelos tinha conhecimento do esquema fraudulento. Os ministros da Corte foram unânimes ao apontar que ela era responsável por viabilizar o pagamento de propina a parlamentares, por meio de acertos com o Banco Rural.
Condenada por lavagem de dinheiro, corrupção ativa, evasão de divisas e formação de quadrilha.



Geiza Dias
O argumento do advogado de Geiza Dias de que ela era uma funcionária "mequetrefe" do empresário Marcos Valério teve efeito e os ministros da Suprema Corte entenderam, por maioria, que ela não tinha conhecimento do esquema criminoso e apenas cumpria ordens. A conduta da ex-gerente financeira da empresa SMP&B chegou a ser classificada pelo ministro Ayres Britto como "próprio de servidores que não têm poder de mando".
Absolvida por lavagem de dinheiro, corrupção ativa, evasão de divisas e formação de quadrilha.
Foto: Divulgação

Pedro Henry
Embora o ministro revisor, Ricardo Lewandowski, tenha argumentado que não havia provas para condenar o então líder do PP na Câmara dos Deputados, Pedro Henry, por corrupção e lavagem de dinheiro, a maioria da Corte entendeu que ele recebeu propina em troca da garantia do apoio do partido aos projetos do governo federal. O parlamenatr só foi absolvido da acusação de formação de quadrilha.
Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro; absolvido por formação de quadrilha.
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Pedro Corrêa
Presidente do PP à época do escândalo do mensalão, o ex-deputado federal Pedro Corrêa foi acusado de articular o repasse de dinheiro para parlamentares da sigla em troca de apoio aos projetos do governo Lula. De acordo com o ministro Joaquim Barbosa, ele participou da lavagem de milhões de reais repassados pelo PT. A posição que foi seguida pela maioria da Corte. 
Condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.
Foto: Agência Brasil

 João Claudio Genu
Ex-assessor do Partido Progressista (PP), João Claudio Genu foi apontado pelo relator da ação penal, Joaquim Barbosa, como o grande intermediário dos recursos repassados ao partido pelo PT. "Ele foi executor direto e material dos crimes de lavagem de dinheiro para o Partido Progressista", disse o ministro. A posição do relator foi seguida pela maioria dos membros da Corte.
Condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. 


Enivaldo Quadrado
Conhecido por ter sido preso com euros na cueca e nas meias, Enivaldo Quadrado foi condenado por usar a própria empresa - a corretora Bonus Banval - para repassar dinheiro de Marcos Valério às lideranças do PP. Segundo o ministro Joaquim Barbosa, funcionários da Banval eram usados para lavar o dinheiro, já que entregavam os valores desviados em domicílio. A posição do relator foi seguida pela maioria dos ministros.
Condenado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha
Foto: Divulgação


Breno Fischberg
Sócio da corretora Bonus Banval, Breno Fischberg foi condenado por lavagem de dinheiro por ter recebido R$ 11 milhões para repassar o dinheiro a pessoas ligadas ao PP. Para o relator do processo, o empresário estava ciente dos crimes. "Valério e Delúbio se reuniam com os sócios da Bonus Banval para discutir os repasses. Tanto Enivaldo Quadrado quanto Breno Fischberg passaram a atuar em proveito dos interesses do PP", afirmou Joaquim Barbosa. Apesar disso, ele foi absolvido da acusação de ter participado da quadrilha do mensalão. Condenado por lavagem de dinheiro e absolvido por formação de quadrilha. 


Valdemar Costa Neto
Presidente do extinto PL, que posteriormente se uniu ao Prona dando origem ao Partido da República (PR), Valdemar Costa Neto foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro por ter recebido recursos para garantir o apoio do partido aos projetos do governo federal. "Os autos levam-me à conclusão que Costa Neto recebeu os valores de Marcos Valério em razão de sua condição de parlamentar", disse Ricardo Lewandowski, em posição seguida por todos os demais ministros. Sobre a acusação de participação na quadrilha do mensalão, Lewandowski recuou de seu voto inicial e garantiu o empate que absolveu o réu. Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro; absolvido por formação de quadrilha. Foto: José Cruz/Agência Brasil


Jacinto Lamas
Ex-tesoureiro do PL (atual PR), Jacinto Lamas trabalhava como assessor do deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) na época do escândalo. Segundo o ministro Joaquim Barbosa, ele agia como intermediário dos pagamentos feitos pela agência SMP&B por meio da empresa Guaranhuns, que serviu para ocultar a origem do dinheiro do esquema. A maioria dos representantes da Corte entendeu que ele teve participação nos repasses em benefício do PL. A única absolvição foi em relação à acusação de formação de quadrilha, já que o empate nos votos beneficiou o réu. Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro; absolvido por formação de quadrilha. 


Bispo Rodrigues
Deputado federal pelo PL (atual PR) do Rio de Janeiro, Bispo Rodrigues renunciou ao mandato em 2005 para escapar da cassação, após ser flagrado transportando R$ 150 mil sacados na agência do Banco Rural em Brasília. O relator do processo rechaçou os argumentos da defesa sobre a existência de caixa dois de campanha e disse que ficou comprovado que o réu teve participação na compra de votos em troca de apoio aos projetos do governo federal. Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Foto: José Cruz/Agência Brasil


Antonio Lamas
Irmão de Jacinto Lamas e assessor do PL (atual PR), Antonio Lamas havia sido acusado de receber recursos do mensalão em nome do então presidente da sigla, Valdemar Costa Neto. No entanto, em suas alegações finais o Ministério Público pediu a absolvição do réu por falta de provas, posicionamento que foi seguido pelo relator, Joaquim Barbosa, e por todos os demais ministros da Corte. Absolvido por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Foto: Divulgação


Roberto Jefferson
Deputado cassado em 2005, o presidente do PTB revelou, em junho de 2005, o esquema de pagamento de propinas mensais a deputados para que eles votassem a favor do governo no Congresso. Para o relator do processo, Joaquim Barbosa, ficou comprovado o envolvimento de Jefferson com o esquema de compra de votos por apoio parlamentar. Ao destacar que ele recebeu pessoalmente dinheiro de Marcos Valério, o ministro disse que ele atuou para ocultar a origem e o real fim dos valores. Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

Romeu Queiroz
Ex-deputado pelo PTB, Romeu Queiroz foi acusado de ter recebido R$ 102,8 mil de propina para participar do esquema de compra de votos de parlamentares. Ao condenar o réu, o relator do processo, Joaquim Barbosa, disse que Queiroz utilizou da mesma sistemática de Roberto Jefferson para esconder a origem dos recursos recebidos, posição acompanhada pela maioria dos ministros.
Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 
Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil


Emerson Palmieri
Ex-tesoureiro informal do PTB, Emerson Palmieri foi condenado por ter atuado ao lado de Roberto Jefferson para viabilizar o repasse de recursos do núcleo central da quadrilha em favor do partido. Embora o revisor do processo, Ricardo Lewandowski, tenha pedido a absolvição do réu, que classificou como coadjuvante no esquema, o entendimento não foi seguido pela maioria dos ministros. 
Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Foto: José Cruz/Agência Brasil


José Borba
José Borba era deputado federal pelo PMDB na época da denúncia do mensalão, mas renunciou à cadeira em 2005 para fugir da cassação. O atual prefeito da cidade paranaense de Jandaia do Sul pelo PP foi condenado pela Corte por corrupção por ter recebido recursos no núcleo central da quadrilha para votar de acordo com os interesses do governo. No entanto, houve empate sobre a imputação de lavagem de dinheiro, o que resultou na absolvição.
Condenado por corrupção passiva; absolvido por lavagem de dinheiro
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil



Anderson Adauto
Atual prefeito de Uberaba (MG), o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto era filiado ao antigo PL (atual PR) quando recebeu recursos do mensalão, por meio do seu chefe de gabinete, José Luiz Alves. Apesar de o relator do processo ter votado pela condenação do réu pelo crime de corrupção ativa, ele foi absolvido pela maioria por falta de provas. Sobre a acusação de lavagem de dinheiro, o empate na votação também resultou pela absolvição do réu.
Absolvido por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. 


José Dirceu
Acusado pelo Ministério Público de ser "chefe de quadrilha", José Dirceu ocupava o cargo de ministro da Casa Civil na época do escândalo do mensalão e teve o mandato de deputado federal cassado em 2005. Para o ministro Joaquim Barbosa, ele era o mandante dos pagamentos de vantagens indevidas aos parlamentares para apoiar as votações de interesse do governo. "É evidente o vínculo de hierarquia e subordinação entre o Dirceu e os demais membros do núcleo político", disse o relator. Contrariando Barbosa, o revisor, Ricardo Lewandowski, argumentou que não ficou comprovado o envolvimento do político com a compra de votos, mas a maioria dos ministros entendeu pela condenação do réu.
Condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha
Foto: Reuters


José Genoino
Presidente do PT na época do esquema do mensalão, José Genoino foi apontado como o interlocutor político da organização criminosa. Para o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, apesar de não ter poder de "bater o martelo", que era de José Dirceu, Genoino assinou os empréstimos feitos junto ao Rural em nome do PT. Além disso, transformou a sede do PT, em Brasília, em uma "espécie de central de reuniões entre Valério e Delúbio com deputados que receberam dinheiro". Contrariando Barbosa, o revisor, Ricardo Lewandowski, disse que Genoino não poderia ser condenado apenas por ter sido presidente da sigla. Os argumentos do relator venceram e o réu foi condenado pela maioria. 
Condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha. Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil

Delúbio Soares
Responsável pelas finanças na campanha do ex-presidente Lula em 2002, o ex-tesoureiro do PT foi apontado pelo relator, Joaquim Barbosa, como "fonte das ordens de pagamento". Segundo o ministro, era o ex-tesoureiro quem definia quais parlamentares deveriam receber o dinheiro da fraude. O posicionamento do relator foi seguido pelos demais ministros da Corte, que condenaram o réu por unanimidade por corrupção ativa. Já sobre a imputação de formação de quadrilha em associação ao núcleo publicitário comandado por Marcos Valério e a dirigentes do Banco Rural, foram seis votos a quatro pela condenação. 
Condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Duda Mendonça
Publicitário da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, Duda Mendonça foi acusado de abrir uma conta no exterior para receber parte dos R$ 11,2 milhões que deveriam ser pagos pelo PT por seus serviços no período eleitoral. Apesar de o relator do processo, Joaquim Barbosa, ter pedido a condenação do publicitário por lavagem de dinheiro, ele foi voto vencido. Ricardo Lewandowski entendeu que o dinheiro foi para o pagamento dos serviços e que ele não tinha conhecimento da origem ilícita dos valores, posição acompanhada pelos demais ministros. Sobre a acusação de evasão de divisas, o réu foi inocentado por nove dos dez membros da Corte.  Absolvido por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Zilmar Fernandes
Sócia de Duda Mendonça, a publicitária Zilmar Fernandes foi acusada de ter sacado R$ 1,4 milhão pessoalmente em agências do Banco Rural e de ter negociado com Marcos Valério o recebimento dos recursos pelos serviços prestados ao PT em contas no exterior. Assim como Duda Mendonça, Zilmar justificou que os valores recebidos eram referentes a serviços prestados ao partido e que não houve ocultação dos repasses. O relator do processo, Joaquim Barbosa, pediu a condenação de Zilmar por lavagem de dinheiro, mas a maioria dos ministros decidiu pela absolvição. Ela ainda foi considerada inocente do crime de evasão de divisas. Absolvida por lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


João Magno
O ex-deputado federal João Magno (PT-MG) foi acusado pelo Ministério Público de ter utilizado assessores e o próprio irmão como intermediários no transporte do dinheiro recebidos do esquema do mensalão. Embora o relator do processo, Joaquim Barbosa, tenha pedido a condenação do réu por lavagem de dinheiro, não houve consenso no plenário do STF. Com o empate de cinco votos pela condenação e cinco pela absolvição, ele foi considerado inocente. Absolvido por lavagem de dinheiro.

Paulo Rocha
Líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados quando foi envolvido no mensalão, Paulo Rocha foi acusado de receber R$ 820 mil do valerioduto. Para o relator da ação penal, Joaquim Barbosa, Rocha tinha conhecimento da origem ilícita do dinheiro repassado por meio do empresário Marcos Valério. Já o revisor, Ricardo Lewandowksi, disse que não ficou comprovado o envolvimento do réu na lavagem. Como houve empate, a Corte decidiu pela absolvição do réu. Absolvido por lavagem de dinheiro
Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil

Professor Luizinho
Luiz Carlos da Silva, chamado de Professor Luizinho (PT-SP), era líder do governo na Câmara dos Deputados na época do escândalo. O ex-parlamentar foi acusado de receber R$ 20 mil por intermédio de José Nilson dos Santos, que trabalhava em seu gabinete. O relator do processo, Joaquim Barbosa, disse não ver provas de que a quantia foi remetida ao ex-parlamentar, tampouco que ele tenha lavado o dinheiro. A posição de Barbosa foi seguida por todos os demais ministros da Corte, que absolveram o réu.
Absolvido por lavagem de dinheiro. 
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil


Anita Leocádia
Auxiliar do ex-deputado Paulo Rocha (PT-PA), Anita Leocádia foi acusada de ser a principal intermediária entre o ex-parlamentar e Marcos Valério. Segundo a denúncia, ela recebeu R$ 620 mil do valerioduto, sendo que R$ 200 mil teriam sido entregues em um quarto de hotel na cidade de São Paulo. O ministro Joaquim Barbosa, relator da ação penal, concluiu que não há provas suficientes do envolvimento da ré com a lavagem do dinheiro e ela acabou absolvida por unanimidade no plenário do STF. Absolvida por lavagem de dinheiro
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil


José Luiz Alves
Chefe de gabinete no Ministério dos Transportes na época do mensalão, José Luiz Alves foi acusado de ser responsável por sacar R$ 600 mil para o então titular da pasta, Anderson Adauto. Atualmente, Alves preside o Centro Operacional de Desenvolvimento e Saneamento de Uberaba (MG), cidade da qual Adauto é prefeito. Tanto o relator, Joaquim Barbosa, quanto o revisor, Ricardo Lewandowski, entenderam que não há provas de que o réu soubesse da origem ilícita dos recursos. Todos os ministros da Corte votaram pela absolvição de Alves.
Absolvido por lavagem de dinheiro. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil